Carta Geológica da Guiné BissauCarta Geológica da República da Guiné-Bissau, escala 1:400.000

Esta Carta foi preparada em ArcGis para publicação em 2011. Após inúmeras revisões e actualizações foi terminada e impressa em formato frente e verso no final de 2013.

Uma das características desta Carta na escala 1:400.000 é a inclusão de uma base topográfica com altimetria, expressamente construída para o efeito (Base Topográfica LNEG-IICT, 2011), feita a partir da cartografia portuguesa na escala 1:50.000 (72 folhas editadas entre 1953 e 1966), actualizada para 2013 sobretudo no referente à redistribuição da população e à reconfiguração da rede viária, face a alterações profundas que marcaram o país durante a guerra (1963-1974) e após a independência.

Edição:

Esta Carta foi iniciada em 1990 pelo Centro de Geologia do Instituto de Investigação Científica Tropical (IICT, Lisboa), com a Direcção Geral de Geologia e Minas (Bissau), por solicitação decorrente da 6ª Reunião da Comissão Mista Luso-Guineense (Abril 1988). A partir de 2006 foi assumida pelo Laboratório Nacional de Energia e Geologia (LNEG), face à extinção do Centro de Geologia do IICT.

Carta geológica editada pelo LNEG entre 2007 e 2013, decorrendo do projecto “Cartografia Geológica da Guiné-Bissau” (1991-2001; IICT-DGGM-Camões-FCT) e da acção complementar “Geologia da Guiné-Bissau no Cenozóico” (2002-2007; IICT-LNEG).

Coordenação: Paulo Hagendorn Alves (LNEG);
Interpretação geológica: Paulo H. Alves (LNEG) e Heitor de Carvalho (IICT).

Informação incluída:

Na frente da Carta:

- Geologia 1:400.000 e Corte Geológico;
- Legenda Geológica;
- Localização dos principais Afloramentos;
- Ocorrências e Recursos Minerais (localizados no mapa e em listagem numa Tabela);
- Sondagens (captação de água, poços e algumas sondagens mineiras);
- Topografia: estradas, povoações, rede hidrográfica, planos de água (vendus e lagoas), toponímia, altimetria (pontos cotados e curvas de nível);
- Batimetria e “bancos” de areia, “modelação” do delta das ilhas Bijagós.

No verso da Carta:

- 346 “logs” de sondagens e poços, com a profundidade de captação de água e com a interpretação da sequência atravessada (litologia / estratigrafia);
- Extrato de imagem de satélite incluindo grande parte do litoral do país, para visualização do transporte sedimentar no Delta dos Bijagós e na foz do rio Geba;
- Esboço geomorfológico e texto explicativo sobre a geomorfologia e morfologia do território;
- Corte Geológico da bacia mesocenozóica, com texto explicativo e Coluna Litostratigráfica tal como seguida em pesquisa de hidrocarbonetos;
- Carta hipsométrica;
- Mapa Administrativo do país (regiões, sectores e cidades);
- Mapa com a Divisão Cartográfica;
- Bibliografia, geral e sectorial (geologia, cartografia, hidrogeologia, recursos minerais, etc.);
- Lista de Autores, Instituições, Fontes de informação;
- Duas fotos de afloramentos.

Dados geológicos:

Trabalhos de campo IICT-DGGM entre Dezembro de 1991 e Junho de 2002, complementados por elementos extraídos de F.Bechennec (1980, 1981, 1982a,b,d), V.E.Paderin et al. (1980), J.M.Motta Marques (1983) e J.P.Prian (1981).

Levantamentos geológicos (IICT): Paulo H. Alves, Heitor de Carvalho, Manuel Tavares.

Colaboração em trabalhos de campo (DGGM): Bubacar Baldé, Jacinto Tamba, Arnaldo Nafampelna, Maximiano Embalô, Seco Bua Baio, Umaru Baldé, Mamadu Candé, Paulo Viroloque, Amindim Câmara, Vítor Melaço.

Amostragem de poços (poceiros): Iaia Turé, Papa Câmara, Cadje Aliu Djalo, Camiçá Alfredo.

Dados de sondagens e poços coligidos e interpretados por Heitor de Carvalho e Paulo H. Alves.

Foram ainda considerados elementos de A.J.S.Teixeira (1958), J.E.Teixeira (1968), V.I.Mamedov (1980), V.M.Yakuchev (1985), J.P.Prian (1987) e, para o Arquipélago Bijagós, de K.Kaboke (1980).

Para correlação geológica com os países limítrofes foram integrados dados cartográficos de Samozvantsev (1976) e Bering et al. (1998) para a República da Guiné, e de Bassot (1969) e Roger et al. (2009a,b) para a República do Senegal.

Colaboração em interpretação geológica, trabalhos de laboratório, análise química, análise sedimentológica, petrografia, paleontologia: Fernando Ramalhal, Maria Regina Ramalhal, Maria do Rosário Otero, Luís Celestino Silva, José Barroso, Maria Ondina Figueiredo, Teresa P.Silva, Rogério Raposo, Laura Ferreira (IICT). Teresa Azevedo e Mário Cachão (FCUL). Rui Dias (Univ.Évora). Catarina Moniz (LNEG).

Revisões: Catarina Moniz (LNEG).

Base topográfica:

Base topográfica digital (LNEG-IICT, 2011), elaborada a partir das cartas coloniais na escala 1:50.000 (JIU, 1953 a 1966; 72 folhas). Esta base teve em consideração informação topográfica coligida no terreno durante os trabalhos de geologia, complementada com dados de imagem de satélite e ainda com elementos extraídos de IH (1968) e Cuq et al. (2001); na distribuição demográfica da população foram considerados elementos do censo de 2009.

 Para permitir a inserção da informação geológica na escala 1:400.000 foram feitas simplificações, adaptações e modificações na hidrografia e altimetria, nomeadamente na posição da curva de nível dos 10m.

A representação dos afloramentos geológicos deve ser considerada como indicativa da sua localização aproximada e não da área ocupada, em geral muito sobredimensionada, pois na maioria dos casos não teriam qualquer expressão cartográfica.

A informação batimétrica é meramente indicativa, permitindo visualizar o Delta dos Bijagós e o transporte sedimentar a ele associado, não podendo ser considerada como base ou apoio ao tráfego marítimo.

A rede viária apresentada inclui trajectos nem sempre com garantia de trânsito, nomeadamente durante a época das chuvas, em locais de atravessamento da rede hidrográfica, ou ainda face a alterações do coberto vegetal.

delimitação de fronteiras que figura nesta carta não tem valor jurídico.

Desenho - Processamento:

Desenhada por Maria Lígia Marques (IICT; 1990-1998) e redesenhada para edição por processos digitais por Isabel Ameixa (IICT; 1999-2003).

Desenhada por processos digitais por: Paulo H. Alves (LNEG-IICT; 1997-2013), Vera Figueiredo (LNEG; 2008-2013), Basílio Mendes Catelimbo (DGGM, no LNEG; 2005-2006), André Remédio (LNEG; 2005-2006).

Processamento e introdução em SIG: Vera Figueiredo (LNEG).

Coordenação da edição por processos digitais em ArcGis (ESRI): Teresa A. Cunha (LNEG).

Impressa em 2013 pela Printer Portuguesa, Indústria Gráfica, Lda.
ISBN: 978-989-675-015-2 Lisboa 2011
REPRODUÇÃO PROIBIDA

Para referência bibliográfica: Carta Geológica da República da Guiné-Bissau, escala 1:400.000. LNEG - DGGM. Lisboa 2011

Notas:

Afloramentos - A representação de afloramentos na Carta pretende indicar onde podem ser observadas fácies litológicas diversas, cuja localização resultou de trabalhos de campo longos e pormenorizados, durante os quais o recurso a informadores locais foi frequentemente essencial. A expressão cartográfica está em geral sobredimensionada, para permitir a sua visualização à escala desta edição.

Cartografia Geológica - A decisão da inclusão de uma fácies numa determinada unidade litostratigráfica é, por vezes, questionável. Trata-se frequentemente de rochas muito alteradas, em locais sem afloramentos representativos e sem sondagens com colheita de testemunhos que permitam uma indexação estratigráfica fidedigna; esta situação ocorre ao longo de muitos quilómetros em várias áreas do país. Assim, as unidades representadas na Carta resultam da interpretação dos autores, que, por seu turno, se apoiaram em trabalhos de campo do IICT-DGGM, bem como em levantamentos geológicos diversos (ver bibliografia).

Vendus - Estão representados na Carta Geológica cerca de 55 vendus (morfo-estrutura referida no Esboço Geomorfológico), bem como as lagoas existentes na área de Fulacunda, com destaque para a Lagoa da Cufada

Agradecimentos:

Embaixada de Portugal, Centro Agrofrutícola do Cóli,IMPAR Lda, AD - Acção para o Desenvolvimento, PADIB (Béli).

Dados de sub-superfície: DGRH, Base PNUD-DGRH / ENAFUR (Gabú), DGGM, Ascon-Geomechanik-Prakla, Hidroguiné. A.Cavaco SA em Portugal.
Arquipélago dos Bijagós: UICN, Casa do Ambiente, Tiniguena.

Principais instituições referidas e siglas:

Camões - Instituto da Cooperação e da Língua (Cooperação Portuguesa, Lisboa);
DGGM - Direcção Geral de Geologia e Minas (Bissau);
DGRH - Direcção Geral dos Recursos Hídricos (Bissau);
FCT - Fundação para a Ciência e Tecnologia (Lisboa);
FCUL - Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa;
IICT - Instituto de Investigação Científica Tropical (Lisboa);
LNEG - Laboratório Nacional de Energia e Geologia (Lisboa);
PADIB - Projecto de Apoio ao Desenvolvimento Integrado do Boé;
SIG - Sistema de Informação Geográfica;
Univ. Évora - Universidade de Évora.

 

LNEG IICT Camões Camões

Informações:

Para mais informações sobre esta carta é favor contatar:

Nome: e-mail: Unidade:
Paulo Hagendorn Alves: paulo.hagendorn@lneg.pt Unidade de Geologia, Hidrogeologia e Geologia Costeira
Ruben Dias: ruben.dias@lneg.pt Unidade de Geologia, Hidrogeologia e Geologia Costeira

Para visualizar esta carta no geoPortal do LNEG, o link direto é o seguinte: http://geoportal.lneg.pt/geoportal/mapas/index.html?mapa=CartaGuine

Caso pretenda, pode consultar e fazer o download da Carta Geológica da República da Guiné-Bissau, escala 1:400.000:

- Frente da carta.

- Verso da carta.